Vestígios

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Luzes que brilham...

Vi luzes brilharem, com uma intensidade que não previa.
Mas tive medo. Medo da escuridão, do depois, do agora.
Ingratidão? Era a luz que eu queria. Eu a tive.
Pouco pensei, pouco me importei.
A valsa já se dançava, já se entoava...
Sem reservas ou punições.
O momento se mostrava lá. Presente.
Inquestionável.
Cambaleante de emoções profundas, que aqueciam o coração.
Questionavam a razão. Traziam a insanidade.
Culpa do vinho? Não houve vinho.
Não houve crime. Nem dor.
Risos que se foram. Que permanecem. E espero que voltem.
Olho pela porta entreaberta. Quero a fusão de volta.
Adentrando em cada poro meu.
Sem lágrimas de culpa. Sem choro (in)contido.
Eu arrisquei. E arriscaria de novo.
O jogo do zero. No limite. Sem limites...
Não, não quero nada em troca.
Apenas o momento. Que causou medo.
Ingenuidade, e infantilidade até.
Mas vou seguir em frente.
Assumo a responsabilidade.
Transpor a insegurança. Perder o embaraço.
Eu quis, eu vou.
Até o fim...
.
.
.
Felicidade segundo Mario Quintana:
" Tão bom viver dia a dia. A vida, assim, jamais cansa. Viver tão só de momentos. Como essas nuvens do céu. E só ganhar, toda a vida, inexperiência, esperança. Nada jamais continua, tudo vai recomeçar. E sem nenhuma lembrança das outras vezes perdidas, atiro a rosa do sonho nas tuas mãos distraídas".
.
.
.

13 comentários:

Uma Vencedora disse...

Bom dia Tamires,

Lindo o seu poema!

Quando venho aqui no seu cantinho, posso me identificar profundamente com as palavras que encantam esse lugar de tanta verdade e pureza...

Também és bem-vinda no meu espaço, tá!

Bjs

Janaína

meus instantes e momentos disse...

Muito bonito, vc escreve melhor cada dia que passa. Gosto de te ler, gosto de passar por aqui. É como ficar perto, tenha um belo dia.
Maurizio

Jaya disse...

Taaaaaaaami,

Eu tava comentando a poesia ali debaixo, antes. Aí eu vim aqui e fiquei muda.

Lembrei demais de uma música do Engenheiros, quando cheguei ao final dos teus versos:

"Minhas raízes estão no ar
Minha casa é qualquer lugar
Se depender de mim
Eu vou até o fim
Voando sem instrumentos
Ao sabor do vento
Se depender de mim
Eu vou até o fim..."

(Até o fim - Humberto Gessinger)

Bonita é essa força que move a gente em direção ao depois. Mesmo embaraçada, eu sempre vou. Rs.

Cheiro, nega.
:*

Gazeta na net disse...

Olá,
Olha, vou ser sincero contigo, eu comecei por ler o teu ultimo poema e vi os teus receios e ansiedades depois segui a leitura e perdi-me por completo neste apaixonante blog de poemas, sabes achei muito bonito, e achei também que deves ser uma pessoa muito doce, porque o teu blog tem um sabor doce, bom…
Gostei, vou acompanhar-te de perto
Fica bem
Beijo grande e perfumado

Glau Ribeiro disse...

Coisa rica minhaa,

Sabe o que é mais bonito de tudo tudo tudo? Que eu nem precisava saber o que sei pra sentir todo sentimento que você pintou ai.

"Cambaleante de emoções profundas, que aqueciam o coração./Questionavam a razão. Traziam a insanidade"

Você descreveu toda ansiedade por um momento de tanta espera, os riscos corridos sem pensar e que no final, risco nenhum foi.

A boniteza de tudo é o arriscar sem medo. Mergulhar de uma vez sem dar a minima pra razão, escutar só o tum-tum-tum que faz um bem danado pra gente.


E bom demais ler seu sorriso estampado no rosto, fofura! Irradiando felicidade por ter feito o que coração mandou. =)

Já amooo muito vc! =)

Bjooooooooooo!

Cadinho RoCo disse...

Quando o amore flui tudo fica mais leve.
Cadinho RoCo

Filipe Garcia disse...

Oi Tamires,

gostei dos seus passos lá no meu mundo. Obrigado pelo comentário cheio de lisonjas. É bonito ver gente que partilha dos mesmos sentimentos, que canta a mesma canção.

Seu poema traz um pouco desse romantismo negro que tanto traz frustração. É como diz a música: não há tal amor sem sofrer. E o amor que vi nos seus versos não é esse amor limitado entre homem-mulher. É o amor em seu estado amplo, ilimitado. Por fim, nas linhas finais, encontro um desejo de alçar vôo, uma vontade de lutar contra as amarras, "transpor a insegurança. Perder o embaraço". E isso é alívio, é se desprender de grilhões que nos deixam adormecidos. Bom é assim.

Voltarei aqui mais vezes se me permitir. Quero continuar fuçando nas suas coisas, rs.

Beijo, moça.

Glau Ribeiro disse...

ô Riqueza minha,

Num guento de felicidade de te receber lá no nosso canto, ainda mais pra ler tanta abobrinha que eu postei a tempos!!!!!! hahahaha...

Sabe que eu tbm apareço aqui e fico quetinha as vezes, né? Mais afinidades e jeitos nossos... =)

Amo vc, coisa fofa!!!!

Bjs!

Átila Siqueira. disse...

Oi Tamires, eu vim aqui hoje visitar seu blog, a indicação de uma amiga minha, a Glau Ribeiro.

Depois quero voltar com mais calma.

Me visite também se puder. atilasiqueira.blogspot.com

Um grande abraço,
Átila Siqueira.

Glau Ribeiro disse...

Eu tô toda encantada com essa carinha nova. Passeio meu é toda hora só pra te ver. =)

Riquezaaaa!

Bjo meu!

Glau Ribeiro disse...

Nem canso de vir aqui! hihihihi.. =)

Obrigada pelas palavras, Xuxu!

Riqueza minha você já éé! E acaba que infância nossa, tem gostinho uma da outra, de tão parecida que ééé! =)

Beeeijos todos meus!

p.s.: Chega logo dezembro! uhuu!

Átila Siqueira. disse...

Tamires, acabei de ler seu poema, e digo que ele é simplesmente lindo. Muito agradável, mostra o sentimento de dentro da alma. Os medos, os desejos, os sentimentos. Tu soubeste colocar seus sentimentos de maneira muito prodigiosa. Eu estou encantado com seu poema e com o seu blog.

O novo designer do seu blog ficou também muito lindo. Obra da Glau né, que é uma pessoa linda e fofa, que eu adoro muito. Mas saiba que eu ajudei escolhendo a imagem viu? E foi uma honra para mim participar disso. O blog ficou lindo. Meus parabéns.

Tu disseste que andou visitando o meu blog, mas não comentou, teve, ao que parece, algum receio. Te digo então que não precisas ter receio. Tu és bem vinda, te estendo o tapete vermelho para voltares quando quiser, e digo-te que toda vez que fizer um comentário, estará me fazendo uma grande gentileza, e tirando de mim um sorriso de gratidão e felicidade.

Eu gosto muito que as pessoas comentem meus posts, principalmente se forem pessoas assim tão talentosas e sensíveis como tu. Além disso, tu és amiga de minha querida Glau, e da minha amiga Jaya, as quais eu adoro e sou fã. Então, não faça cerimônias, e esteja convidada a ir lá no meu cantinho sempre. A casa é sua, fique a vontade.

Eu coloquei um link para o seu blog, para acompanhar suas atualizações. Também me coloquei como acompanhante de seu blog. E vou aguardar ansioso pelas suas visitas.

Um grande abraço,
Átila Siqueira.

Anônimo disse...

Obrigado por intiresnuyu iformatsiyu