Vestígios

terça-feira, 2 de junho de 2009

E você não sabe.

-E que te faça lembrar.


Hoje acordei como uma folha em branco: Saí atravessando suas ruas, cortei avenidas em busca de qualquer marca que me carimbasse como sua. Eu fui longe, mas confesso que não me orientei por suas placas: elas querem dar-me uma orientação errada, de ti. Pra qualquer passo em falso, meu. Sei que não tenho noção de espaço, de tempo, de você. Eu me perdi no meio de suas palavras, seus silêncios: Nesse trânsito infindável que fez de si mesmo, em incessante procura pelos caminhos de linhas paralelas à felicidade. Na contramão da minha. E isso, bêibe, me deixa a ponto de procurar qualquer atalho, por mais perigosa que seja a curva, que me leve mais uma vez a você. Porém, te digo, quero mais do que o ontem guardado. Quero mais do que formas abstratas: Quero essa estrada sem fim e concreta, que surge pra mim em meio aos teus sorrisos, que arranco. Que misturam-se aos meus, quando faz-me sorrir. Esses risos incontidos que não há ironia nenhuma sua, que me faça esquecer. Quero-te por inteiro, mais uma vez e que esta se faça duradoura. Olhe, não estou te pedindo a eternidade. Te peço apenas o agora, que não me impede de desejar um futuro. Sei também que este teu mapa encontrei engarrafado, jogado em meio às águas dos meus erros. Perdoa-me se te resgatei de lá. Eu quis assim, meu amor. Eu quero assim. E não posso te fazer passado, pois nunca será passado, aquilo que me é impregnado a pele, feito tatuagem - que Eu escolhi fazer. Assumindo os riscos, como você bem sabe. Fizeste-me alertas, e eu ignorei. Não foi displicência, como minhas palavras trocadas: foi algo proposital. Não me lembro de ter buscado os contras. Talvez tenha visto somente os prós.
E assim, não encontrei limites. Estou cruzando as (tuas) fronteiras.
- Destranque as travas, prepare a colo. O meu já vai em estado recíproco. Lembra? Compartilhamos o mesmo sonho, então, anotei o pedido silencioso, e não mais sarcástico, que me fez. Sim, talvez você não se lembre. Por isso não vou deixar o pedido esfriar.
Estou chegando quente. E isso, amor, você não terá como esquecer.

"Você não sabe que os anseios do seu coração
São muito mais pra mim
Do que as razões que eu tenha
Pra dizer que não
E eu sempre digo sim
E ainda que a realidade me limite
A fantasia dos meus sonhos me permite
Que eu faça mais do que as loucuras
Que já fiz pra te fazer feliz"
(R e E Carlos, Você não sabe)

Tamires Lima.

12 comentários:

eu, vanessa. disse...

Nossa! Lindo. Se ele não lembra, com certeza, agora, ficará feliz em lembrar.


Beijo
:*

D.Ramírez disse...

Gostaria mesmo, que sempre acordasse com uma folha em branco para nela escrever textos lindos como esse.
Adorei,
besos

Paloma Flores disse...

Nossa, que lindo!
Adorei!

Felipe disse...

Intenso!

Larissa disse...

'Que desafio, querer te acompanhar!'

Em alguma parte do texto, lembrei desse pedacinho de 'Om', do Djavan. Haha :*

Jaya disse...

Tami,

Você é tão poeticamente entregue, que fico imaginando ser impossível alguém ser contrários aos teus convites, nesse texto. Coisa mais sincera. Exposta. Verdadeira. Não aprendi a ser assim, ainda.

Deixo uns beijos, aqui.

P.S.: Adoro você me visitando.

Glau Ribeiro disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Glau Ribeiro disse...

Saiu com alguns errinhos de português, então apaguei e tô mandando de novo:


Xuxuzito meeeu!

Mais uma obra de arte passeando aqui com pés descalços né? Livreeeee! Completamente convidativo. E é +/- o que Jaya disse ai em cima: você se entrega de um jeito com as palavras, que fico sem entender como uns e outros [que possuem nome e distintivo] não se rendem logo aos seus doces. hehe! =)

Eu catei umas palavras suas que eu gostei demaaaais: "[...]Por isso não vou deixar o pedido esfriar. Estou chegando quente. E isso, amor, você não terá como esquecer."

Jesus, que eu fiquei até com medo porque te conheço do avesso e quando você coloca uma coisa na cabeça, sái de baaaixo! rs.

Por isso admiro você, viu.

Mas não mudaremos de assunto: o teu texto foi mais um pedacinho seu que você deixou voando aqui. E sei que a vontade de deixar ele voar pra mais longe existe, então deixa! No final, a gente viveu e ponto.

E eu achei lindo viu!

Beeeeijo, xu!

Thiago Assis disse...

eu sou um livro em branco.

um texto bem cosmopolita, hã?! ^^

só pra constar, nao gosto de roberto Carlos, mas as musicas dele na voz de outros cantores geralmente ficam boas.


www.thiagogaru.blogspot.com

Gazeta na net disse...

Olá amiga,
Certamente momentos muito felizes e sentimento nobre, as recordações e bons momentos nunca são esquecidos e como os descreves, é impossível não recordar, lindissimo
Fica bem querida
Beijos perfumados

Jorjão disse...

VC nao existe menina, q texto MARAVILHOSO, ASSOMBROSO.....
um milhao de bjos a vc!!!

Junkie careta disse...

Baby, definitivamente a paixão lhe veste muito bem, ou te despe. Aqui, pela primeira vez, você não está somente com os pés descalços, aqui você está nua, e, a sua nudez é linda.

"Destranque as travas, prepare a colo."

"Estou chegando quente. E isso, amor, você não terá como esquecer".

Nossa...
Nunca lhe vi assim com tanta... atitude.

Não se esqueça de me dizer o resultado disso tudo.

Ele ajoelhou aos seus pés e te adorou? Conta tudo, não esconda nada.Vou aguardar ansioso.

Coincidentemente(ou não) eu estou falando de nudez em meu blog.

Voltei a vida intelectual depois de um longo e tenebroso inverno de trabalho e estudo. Retornei com um poema para ser apedrejado.

Se tiver um tempinho,apareça.

Eeu estava com muita saudade desse seu espaço.

Grande bjo