Vestígios

domingo, 24 de maio de 2009

Caixa de Sonhos.

Num dueto com Glau, minha jóia rara.

Saia sorrateiramente, e não esqueça de por aos pés da cama, essa caixa que um dia lhe emprestei, quando meus sonhos já não cabiam mais em mim. Eram inúmeros que temi transbordar ao chão com tantos delírios. Então, devolva-me como um dia te foi entregue: Cheia. Se quiser misturar teus sonhos aos meus, por favor, avise-me: Não quero ser culpada por extraviar desejos ocultos de ninguém.
Porém, deixe a caixa aberta. Sim, aberta. Meus sonhos, eu sei, não irão embora: Eles ficarão ao meu lado, numa espera adocicada de alcances palpáveis, abstraídos de momentos que nunca foram em vão.
E também irei desfazer o laço de fita, tão bonito que você fez. Decorou tão delicadamente, e disse que parecido comigo, ficou. Eu lembro que ri, sabe? Porque eu nunca fui tão delicada assim, mas consegui fingir bem. Eu fui forte. Álias, sou mais forte do que esperava. Nenhuma lágrima caiu. Nenhum suspiro demasiadamente triste deixei que percebesse em mim.
Não me lembro de ter sido menina, e não sei onde começa a mulher. Onde finda. E agora não mais brincarei de contorcionismo: Vi que, meus sonhos e eu, não cabemos dentro dessas caixas - suas ou minhas. Somos ilimitados. E paredes não podem sufocar meus anseios. Não podem ignorar esse pulsar que acelera num compasso cada mais vez rápido...

E assim veio minha resposta:

"Tuas palavras entram em minh’alma como uma flecha afiada, e machuca, minha menina. Dói ouvir você querendo de volta os sonhos que construímos, juntos. A caixa não vai pro pé da cama, não ficará aberta e não ficará esquecida. Não vou fazer o que me pede. É um desatino sem sentido algum. Não tenho como separar teus sonhos dos meus. A caixavirou uma só no momento em que a gente não mais era metade, virou inteiro no primeiro olhar, no dia que você sorriu pela primeira vez.

Sei que não tenho sido o melhor dos teus desenhos, e sei também que muito da nossa cor tem sido desbotada com as atitudes que eu tenho tomado. Não é por querer, juro. Amor meu por você inteira é tão imenso, que às vezes, sinto que nem sei mais como fazer você feliz. Os momentos nunca foram em vão. Nunca foram, minha menina. E as lágrimas insistem em cair do meu rosto, porque não sou forte como você. Não sei ser. E mesmo sem querer que você perceba, meu sofrimento transborda pela minha face, e fica completamente impossível escondê-lo de você. Bem que eu queria. Fraco, eu sou nessa hora.

O laço: não desfaça. É teu. É nosso. Lembro como se fosse hoje: teu sorriso ao ver a caixa toda colorida de nós dois. Mais lindo que a caixa enfeitada de laços e recortes, era teu olhar ao ver nossos sonhos todos juntos, inseparáveis. Sem contorcionismo, minha menina, porque o nosso mundo cabia todo bonito lá dentro. E agora você me pede que te devolva? Não posso. Não quero. Não devolvo. Se quiser levar, me leve junto, porque não conseguirá separar o teu do meu, pois agora é tudo nosso.

Você é menina-mulher, junto. Consegue ao mesmo tempo, ter a delicadeza de um amor sereno, desses de conto-de-fada, misturado ao fogo da paixão, desses de cinema. E eu volto, pedindo que me aceite, com a caixa na mão. Cheia de sonhos. Os nossos. Eu volto, pra que você veja que cabemos sim, aqui dentro: um do outro. Eu volto, porque nunca fui inteiro longe do teu sorriso. Agora, volto todo pra você. Me dá sua mão, segura comigo os sonhos todos, porque eles querem sair voando e virar realidade nossa. E eu não posso ignorar esse pulsar que acelera num compasso cada vez mais rápido."


[Eu e Glau, Glau e Eu]


17 comentários:

Larissa disse...

Olha, eu adorei isso. E não deixa que ele devolva mesmo. Nada! Não permita. Não queira. Não devolva. Que vá junto, se ela quiser levar alguma pontinha sequer do que um dia foram.

Vou parar por aqui, senão sai todo um texto. Haha

:*

Jorjão disse...

Mas q texto lindo, reflete sentimentos e momentos de uma pessoa.
Moça, vc é genial, continue dessa forma...
Bjao enorme a vc

Monday disse...

Chapeuzinho, eu volto ... e vou ler e me deliciar, como sempre ... mas hoje é só um olá e um boa noite, pra Chapeuzinho dormir em paz ...

Valdemir Reis disse...

Olá Tamires é sempre com grande alegria que visito este importante espaço. Honrado e feliz. Quero agradecer sua amizade. Muito obrigado! Certo estou quando um amigo nos acompanha nenhum caminho é longo demais e vamos além, também que a amizade é como as estrelas, embora não vendo toda hora sabemos que existem. Parabenizo você pela harmonia e qualidade deste trabalho. Grande tema, ótima escolha, excelente texto, original e belo, lindo visual, uma preciosidade, gostei. Valeu ter passado aqui. “Muitas vezes basta ser: colo que acolhe, braço que envolve, palavra que conforta, silêncio que respeita, alegria que contagia, lágrima que corre, olhar que acaricia, desejo que sacia, amor que promove. E isso não é coisa de outro mundo, é o que dá sentido à vida. É o que faz com que ela não seja nem curta, nem longa demais, mas que seja intensa, verdadeira, pura enquanto durar. Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina.” Cora Coralina. Encontrar-nos-emos sempre por aqui. Aguardo sua visita, passa lá! E volte sempre! Tenha uma agradável e feliz semana de grandes realizações. Muita paz, brilho, proteção e sucesso. Tudo de bom, muita prosperidade... Fique com Deus. Forte e caloroso abraço.
Valdemir Reis

Glau Ribeiro disse...

Então deixa eu desabafar pra todo mundo saber: A loira que vos fala estava na net dia desses, conversando com a dona desses pés descalços aqui. Aí, digníssima Tamires diz: - Glau, tenho que bater um bolo ali. Eu já volto. Eu: - OK! Ela vai e me manda um texto.

Depois de tempos, volta: - Glau, voltei. Viu o que te mandei? Eu: Vi sim, Tami. Texto lindo. Teu, né? Ela: É sim, mas não consigo terminar. Termina aí.

Exaaaaaatamente, caros leitores. Ela me colocou contra-parede. E assim nasceu nosso dueto.

Morremos de rir juntas, porque eu não ando nos meus melhores dias, mas ela foi capaz de arrancar as melhores palavras de mim. E eu que ando não gostando de nada, adorei escrever juntinho dela. =)

Por isso ficou lindo, Xu.

Amoooooo trenzim lindo meu!

Nanda disse...

Linda


saudades de passar por aqui e me deliciar com tuas palavras...
palavras que me transportam para longe...
a forma como se expressa é unica...

beijos de saudades

Gazeta na net disse...

Olá minha querida,
Por muito que custe entender o facto de um conjunto de sonhos terem sido separados em caixas diferentes, ficam sempre rastos misturados, temos de ser fortes para entender que esses sonhos muito dificilmente se apagaram, mas temos também saber distinguir o sonho da realidade, da nossa verdadeira vontade. Bela forma de expressares o que estas a sentir.
Fica bem amiga
Beijos perfumados

Ricardo Rodrigues disse...

fiquei com ciume. quero dueto tb...

Rayane Cássia disse...

Sempre uma delicia estar aqui *-*
Sempre tão doce o que eu leio (:
Tão bom de se envolver.
'Dói ouvir você querendo de volta os sonhos que construímos, juntos.'

*-*

Gostei bastante, flor *:

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

Tamires,

Quem é que escreve lindo, hein? Menina, você tem o dom da beleza na escrita, amei esse texto. Quantos sonhos misturados e envolvidos... perfeito.

Adoro esse seu carinho... de verdade.

Beijo grande, menina linda.

Rebeca

-

Jaya disse...

Ah, Tami...

Vindo de você e da mineira, não poderia dar em outra coisa que não fosse poesia. Feita em meio a uma metáfora linda. A um entrelaçar de sentimentos comuns. Falar de sonho é, definitivamente, algo que não cabe em todo mundo. E coube em vocês. Coube na gente.

Beijos, frô.

Aline Aguayo disse...

E a caixa de lencinhos, eu encontro onde??
Se quer fazer emocionar, avisa!!

Que lindaaaa!
Ou lindaaaaass! Dose dupla!
Deliciiiiia vcs!

;*

Monday disse...

Olá, Chapeuzinho ... eu disse que voltaria, não?

Na primeira visita, já era tarde e a vista estava cansada demais pra ler e apreciar o seu texto da forma que ele merece ...

E, pelo jeito, o dilema menina-mulher continua firme, não? Mas é bom um pouco de dilema, dá um tempero gostoso na vida ...

Bom mesmo é poder pegar um texto de vocês duas, só faltou a Jaya pra fechar o triângulo literário de jovem qualidade ...

Caixas de sonhos ... posso te contar o segredo? A minha não me largou até hoje ... rsss

Thiago Assis disse...

Ainda bem que voce e seus sonhos nao cabem em caixas, pq assim podem transbordar e libertar tanta beleza atraves dessas palavras ^^


www.thiagogaru.blogspot.com

meus instantes e momentos disse...

tudo muito bonito.
saudades daqui, saudades de ti.
Maurizio

vanessaromão disse...

Texto tão, tão lindo. Imaginei como seria a minha caixa, aí lembrei que dei para um alguém guardar...


Gostei muito daqui.
Beijo
:*

Philip Rangel disse...

qm nao sonha se limita....

bjos