Vestígios

sábado, 20 de setembro de 2008

W. Shakespeare...

Há certas horas, em que não precisamos de um Amor...Não precisamos da paixão desmedida...Não queremos beijo na boca...E nem corpos a se encontrar na maciez de uma cama...Há certas horas, que só queremos a mão no ombro, o abraço apertado ou mesmo o estar ali, quietinho, ao lado...Sem nada dizer...Há certas horas, quando sentimos que estamos pra chorar, que desejamos uma presença amiga, a nos ouvir paciente, a brincar com a gente, a nos fazer sorrir...Alguém que ria de nossas piadas sem graça...Que ache nossas tristezas as maiores do mundo...Que nos teça elogios sem fim...E que apesar de todas essas mentiras úteis, nos seja de uma sinceridade inquestionável...Que nos mande calar a boca ou nos evite um gesto impensado...Alguém que nos possa dizer: "Acho que você está errado, mas estou do seu lado..."Ou alguém que apenas diga: "Sou seu amor e estou Aqui!"

3 comentários:

Jaya disse...

Tami,

Posso chamar assim? Rs.

Passando aqui pra agradecer tua visita em meu canto. Tão bom te receber, viu? Pode voltar toda hora, deixei a porta encostada. Precisa nem bater.

Ah, esse texto de Shakespeare me lembrou alguns anjos meus. Essa semana tive provas lindas de que existem e dos efeitos deles em mim.

Gostei daqui, viu?

Meu beijo.

Anônimo disse...

VC REALMENTE EXISTE? O QUE FAÇO COM VC... ESTÉ ME DEIXANDO MALUCOO E INQUIETO.

Glau Ribeiro disse...

Tamires,

To aqui passeando até agora, te lendo sem querer saber do tempo. Resolvi nem fazer barulho pra não incomodar, mas acabei recebendo carinho seu nesse instante ao mesmo tempo que lia o inigualável Shakespeare. Nem tem como ficar quetinha.

Obrigada pelas doces palavras, moça. Obrigada mesmo. E saiba que meu canto é nosso. Pode visitar e passear o quanto quiser, sempre. Sinta-se a vontade pra linkar, bom que te terei sempre por perto.

Quanto ao texto, ele dispensa comentários. Quem num gosta de um aconchego num é? De um abraço que conforta, que segura, que protege. De um cheiro compartilhado. Sorriso encantado. Palavra esperada. Eu poderia falar até amanhã e ficaria ainda mais clichê essas palavras minhas. Amor é assim, aquele simples mais que complicado. =)

Beeijos meus!