Vestígios

terça-feira, 21 de abril de 2009

Eclipse's.

-Pra tua noite, também ser dia.

Se na tua escuridão, me faço brisa fresca, profundo vou. Acordar-te hei desse vazio que diz te acompanhar. Já disse: gosto de furta-cor. De luzes que brilham. E nem me importo com essa tua ironia, teu sarcasmo presente que fere, às vezes. Sou teimosia, insisto. Pouco incomoda tuas palavras ao dizer-me que otimista demais sou. Sim: Eu acredito, eu creio. Em mim, em você. Em tudo aquilo que ainda não me deixou provas contrárias. Meios sorrisos desabrocham, eu sei, meio assim, de soslaio, mas não despercebido. Sentidos meus não falham, e eu sinto: Teu sorriso mais largo está por vir. Nos teus saltos no escuro, de avesso proposital, vejo uma folha em branco, pronta pra rabiscos. Tabula rasa pra deixar impresso cores e lirismos. É inútil negar-te a si próprio, a vida. Ela é como o vento, carrega. E segundo diz o poema, você não sabe de onde vem, nem pra onde vai. Não és máquina. Você é ser não-programado. Teus chips não dobram o destino, tuas palavras não podem brincar de contorcionismo. E, teus passos, não se escondem na tua sombra. Luta interna, sei que vives. Amasse todos os teus fantasmas, todas as lágrimas e faça deles, páginas virada.

Abra-te. Em capítulos novos, repito, porque o mar durante a maré, não tem volta*. E, assim, como lendária promessa de noites insones, de agregados absortos incoerentes, continuo em estado de dama errante, porém insistente. Porque eu ainda prefiro tentar a calar-me. Não, nada tenho de paciência, mas, impaciente mais serei, se por ora não buscar-te, e não te oferecer aconchego em mim. Falo-te entre parênteses: (- Você é eclipse, mesmo querendo ser noite, apenas). Também sou madrugada, mas que seria ela sem um amanhecer comparativo? Continuará assim, em apostas infindáveis de brigas frustradas com a vida?

Tudo aquilo que gera desassossegos, um dia reza espetáculos de otimismo, que nada terá de simplório. Porque a vida é assim, não precisa de justificativas. Lápis corre solto na folha, e você escolhe as cores que permeiam tua noite.

- E assim, no breu em que se esconde, me faço aquarela e te ofereço pincel.

[Tamires Lima]

* More Than This (versão traduzida), Bryan Ferry - do Roxy.

23 comentários:

Thiago Assis disse...

pois é, você teve sorte, já pensou se tivesse lido a parte 1 sexta-feira, quando postei? kkkkkkkkkk

eu não quis colocar o final feliz tão comum e nem quis colocar a troca de bebês que tanto se fala, preferi mostrar o quao grave uma traição pode significar pra alguem, tanto quem a cometeu como quem a sofre (o medico que teve os sonhos despedaçados) e até quem não tem nada a ver, no caso da criança... =] gosto de explorar o interior, os sentimentos mais comuns e tal...
=D

ah, e não postei em uma parte só pq ficaria muito grande e mta gnt não leria por conta disso.. =]
kkkkkkkkkkkkkkkkk

dxa eu falar do teu post tbm, neh?
você gosta de umas inversões não é? ainda bem que nada invertido demais pq senao fica barroco e eu não sou muito fã de tal escola literaria =D
vc usa muita metáfora, que é das figuras, uma das minhas preferidas, algumas são muito lindas e interessantes, como as que vc usou no parágrafo que fala de ser eclipse/madrugada =D


www.thiagogaru.blogspot.com

Mateus Araujo disse...

ownn TAtaa
obrigadoo por fazer a minha indicação à revista.
obrigadão... XD
Já deixei meu recadinho lá
gostei do trabalho
Estar perto de gente boa como vc vai ser ótimo!
Bjim bjim ♥

meus instantes e momentos disse...

Cada vez mais se soltando de dentro de ti mesma, cada vez se achando mais , se entendo , se mostrando mais.
Voce esta cada vez melhor Tamires, até nos posts....
Maurizio

Glau Ribeiro disse...

Xuuuuuuuuuuu, posso ser repetitiva e dizer que me vi em cada linha da tua escrita? Na verdade, vi história minha nessas suas letras, e dessa história você sabe de cor. Você disse tanta coisa que mexeu aqui, que fiquei sem ar. Li de novo, e de novo e a última frase é meu enredo, bem você sabe:

"E assim, no breu em que se esconde, me faço aquarela e te ofereço pincel."

Afirmo com lágrima nos olhos de uma saudade chata que de vez em quando aparece, que esse foi um dos teus melhores, Xu. Um dos teus melhores. E eu tô amando cada vez mais ficar de pé descalço. ;)

Te deixo com palavras de Marla que somente reafirmam tudo que senti, e confesso, ainda sinto:
[é que tá difícil esquecer de vez.]

"[...] eu preciso pedir que você venha com teu olhar pra perto de mim. Desembrulha tua alma introspectiva e vamos cuidar das coisas com calma. Deixa o profundo pra outra hora antes que a gente se consuma até os nervos. Há tempo pra almas angustiadas, mas há dias de tons bem mais leves, de sentimentos sutis. Não determine o sentido das coisas antes delas terem algum. Espere o momento do desespero, não o antecipe. Se ele quiser, virá em dias tão lindos como este. Agora, só há o convite pro sono mais doce e pra conversa mais amena que nos faça rir de novo. Deixa teu coração abraçar o que digo enquanto afago teus cabelos. O nome disso é carinho. Esquece um pouco essa dor que te espreita. Convida ela pra dormir ao relento enquanto meu colo quente vai chamando de volta teu sossego. Chega de tantas palavras que fervem, meu amor. Vamos pronunciar cuidados. Vamos nos envolver em abraços. Vamos viver o que chega assim, limpinho, sem apertar o peito. Traz teu olhar pra bem perto, eu os fecho e te mostro a paisagem que teci com palavras pra adoçar teus ouvidos. Vamos dormir em paz e acordar antes desses amanhãs. Vamos acordar antes que seja tarde."

Larissa disse...

Pois é, continue preferindo tentar a calar. E seja sempre madrugada, sempre carecendo de uma amanhecer que certamente sempre virá. :)

€ster disse...

Ólá, minha mais nova amiga Tamires!

A blogosfera sempre nos reserva surpresas agradáveis como essa, e nada é por acaso! Encontrar vc e seu blog foi um presente!

Uma graça vc e tudo o que estou vendo por aqui, pode estar certa de que voltarei, quero reprise, muitas...

Obrigada pelas suas amáveis palavras que mostram a pessoa sensível que é!

Quero participar do Sunshine e saber mais sobre a proposta de vcs!

bjs e até.

Aline Aguayo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Aline Aguayo disse...

Primeiro, te digo: ADORO andar descalça.

Meu blog ta doido, nao consigo adicionar ninguem nos meus favoritos, mas enfim.. vc tem o seu lugar la, garantido!
hehe

Que textinho mais "docinho" hein?!
Uma graça! Adorei!

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

Adorei!

Larissa disse...

Hahaha, baila!
Vou te adicionar nos meus links pra não perder de vista, adorei aqui. :)

Anderson disse...

Oi Tamires.
Não somente a Sandália, mas os Pés são belíssimos.
Até breve.
Beijos.

. disse...

Nossa! Adorei TUDO! Os textos. O titulo. O porque do titulo! Amei! Sou sua seguidora e fã! =)

Priscila Boltão disse...

Só vim dar um oizinho, rs. Não ando muito animada a postar (crise de criatividade, muito minha conhecida). Vou só "repostar" hj, um texto q já tinha publicado no meu outro blog.
Mais uma vez, como sempre, sem palavras pra te elogiar. Tá ficando chato, rs.
Bjs, saudades.

Me permita disse...

Oi, Ta! Mal cheguei e já quero ser íntimo! rs Adorei a tua visita! Teu blog é aconchegante!! Quero a tua visita mais vzs! Estarei tbm por aqui, de pés descalços! rs "E assim, no breu em que se esconde, me faço aquarela e te ofereço pincel".... Bom fds! Bjs

gabyshiffer disse...

O texto tá maravilhoso amiga
Adorei a aquarela que oferece o pincel...:)
Bom findi pra vc
Beijos na alma!

Desejos Aliciantes disse...

Mil beijos pra vc também minha amiga
Obrigada pela visita no meu
quanto ao seu texto já comentei antes
:)
Beijos imensos na alma!

Manuela disse...

Adorei a visita! ;)

Átila Siqueira. disse...

Tamires, minha amiga tão querida, tu estás a escrever cada dia melhor. Se continuares assim, logo teremos mais uma Cecília Meireles no Brasil.

Seus textos me fazem flutuar, é como apreciar as obras de Jim Warren. Aliás, acho que ele deve andar se inspirando em ti, ou visse versa, não sei bem. Mas o que eu sei é que esse seu mundo metafísico, que mistura sonhos e realidade, sempre me fascinam.

Te adoro demais, minha amiga. Ando morrendo de saudades de ti.

Um grande abraço,
Átila Siqueira.

Ricardo Rodrigues disse...

muito bom...

Thiago Assis disse...

por coincidência meu post de hj se chama "Eclipse", mas não foi por causa do teu texto não, ele já estava feito, só não o havia postado ainda ^^

Vim também avisar do selo, mas vc já o viu então... =]


www.thiagogaru.blogspot.com

Felipe disse...

Amar é um paradoxo né?
Beijocas

€ster disse...

Oi queridíssima!

Quanto lirismo por aqui, menina!!

Vc escreve deliciosamente, e cada frase é um carinho, adoro vir aqui!


Tamires, queria te pedir um favorzinho, se der prá vc votar no meu blog nesse link abaixo, vou te agradecer muito!

http://elainegaspareto.blogspot.com/

obrigada viu...!


beijinhos

*.*

Sunflower disse...

" Você é eclipse, mesmo querendo ser noite, apenas). Também sou madrugada, mas que seria ela sem um amanhecer comparativo? Continuará assim, em apostas infindáveis de brigas frustradas com a vida? "

Me aprpriando das palavr5as do Gonzaguinha e fazendo o uso que quero delas: e eu fico com a IMpureza das respostas das (eternas) crianças, a vida, é bonita, é bonita.

Porque o bom não é ser puramente sol ou lua, mas ser mestiço.

beijas!