Vestígios

quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

O que a falta me faz.

Ausência
Por muito tempo achei que a ausência é falta.
E lastimava, ignorante, a falta.
Hoje não a lastimo.
Não há falta na ausência.
A ausência é um estar em mim.
E sinto-a, branca, tão pegada, aconchegada nos meus braços,
que rio e danço e invento exclamações alegres,
porque a ausência assimilada,
ninguém a rouba mais de mim.
(Carlos Drummond de Andrade)
.
.

"A ausência me faz sentir a necessidade.
Necessito de seu abraço, ao redor do meu corpo.
Da sua voz, murmurando versos...
Palavras que se fazem sonhos,
Sonhos que se vão.

Essa falta ameaçadora, que se faz em prantos,
Procuro em vão, afastar.
Mas às vezes, é preciso arriscar.
Ir à luta. Tentar.
E nesse encontro fugaz, entre razão e emoção,
Entre gestos e espasmos,
Sair do marasmo. Me achar.
Na sua falta? Talvez.

Mas essa abstinência de você,
Não tem cura. Ou tem?
O remédio que afasta a dor, a ausência.
O querer estar perto. O querer saber.
Meu eu em você, você em mim.
Desvarios. Loucuras.

Me perco entre perguntas e respostas.
Em sentimentos. Incontroláveis.
Discutível perfeição, que persiste.
Me desenho em ti.
Insanidade do não ter. Mas desejar mesmo assim.
Pisar no terreno desconhecido, implorando o que se faz oculto.
O incerto, a sensação suprema.
A luz de encontro às sombras. Desatino.


A falta que me faz insone. Paralisa.
Me intriga. Questiona meus erros, e confunde meus acertos.
Onde errei? Não sei. Os acertos? Insuficientes.
Vou roubar-me a memória. Esquecer a ausência.
Quem sabe um dia, ela vá. Para longe.
Esquecimento da alma. Recanto dos sonhos.
Perdidos e incoerentes.
Acima de tudo... AUSENTES. "

:.Tamires Lima .:

14 comentários:

Mônica disse...

Amore, parabéns mais uma vez pelas suas belas palavras e pela sua admirável sensibilidade em ligá-las da maneira mais linda e encantadora, pois a cada vez que passo por aqui me orgulho ainda mais de você, porque sem duvida você é uma pessoa muito especial e sabe maravilhosamente exprimir os seus sentimentos e inquietações. Beijos!!!

Átila Siqueira. disse...

Tamires, amiga querida, seu poema foi de uma profundidade tão grande, que na verdade não sei bem como comentar, pois comentar palavras que saíram de um coração tão doce e romântico como o seu, é uma tarefa difícil demais para esse seu amigo aqui. Mas prometo fazer o melhor que eu puder.

Achei seu poema, primeiramente, extremamente romântico, que fala de um amor lindo, mesmo a distância. E tu falas da ausência de uma forma tão profunda, que me fez sentir saudade de pessoas do meu passado, e das partes que cada uma delas levou de mim. Me fez sentir a ausência em sua plenitude, sentimento esse que anda sempre de braços dados com a saudade.

E o Drumond que me desculpe, mas prefiro mil vezes os seus verso aos dele. Acho que você descreveu a coisa de uma maneira muito mais legitima do que ele.

Amei o seu poema, minha querida amiga. Tu és uma poetisa de mão cheia.

Um grande e apertado abraço, e um feliz natal para ti.

Átila Siqueira.

Gazeta na net disse...

Olá Amiga,
A liberdade está em se ser dono da própria vida, não temas a ausência, tenta sim não sentir a solidão.
Fica bem
Beijos perfumados

Monday disse...

bela poesia, menina ... parece um desenho completo de tudo o que vai na mente quando alguém está ausente e sua falta é sentida ... e o pensamento viaja entre sins e nãos, entre quereres e não ligares, eterna indefinição alimentada pela nossa imaginação ...

meus instantes e momentos disse...

A ausencia ,a distância, sombras , desatinos, desvairos e loucuras. Faltas, incertezas, insanidades, perdidos e incoerentes,insuficientes, desconhecido , incerto
essas palavras garimpei desse lindissimo poema.
mas não encontrei, eu quero,faço, gosto..
É só dizer eu quero, eu gosto, eu faço.
e é tão simples....!
Maurizio
.
* vai ser bom pra quem te inspira.

Glau Ribeiro disse...

Amor tão lindo meu,

Isso aqui tá bomdimaisdacontasô! -Como vc mesmo diria! rs.

Transborda sentimentos, Tá. Me faz sentir um tanto de coisa que hoje seria estupidez a tentativa de explicar. Só sei que eu adorei. Que eu fui com suas palavras, na busca pelas respostas. Sempre na busca né? =/

Amo vc, pra vida inteira.

Beeijos!

D.Ramírez disse...

Que seu Ano Novo seja regado de muita
Veuve Clicquot Ponsardin, muita fartura e felicidades o Ano Inteiro!
Besos e até 2009!!!!

Késia Maximiano disse...

Nada como asas pra voar.. Mesmo q seja por entre os versos..
Super beijo, Tamires
Feliz 2009

Monday disse...

Oi, menina bonita ... tava passando aqui e vi que não havia nenhum post novo ... então, resolvi voltar no último só pra dizer que desejo tudo de bom pra ti nesse 2009 ...

Priscila Boltão disse...

Como sempre, vc continua colocando em palavras coisas q eu jamais saberia expressar, embora eu sinta.
Sabes q é uma das minhas escritoras preferidas, né?
(Hum, no páreo estão a Rowling e Stephenie Meyer, rs.)

Desculpa a ausência, é uma soma de férias, melancolia e falta de dinheiro (não nessa ordem).

Bjs ;)

Glau Ribeiro disse...

-Vc faz tanta falta!

Jaya disse...

Tami,

Você, poetisa. Linda. Inspirada em Drummond! Eu não sei nem o que comentar, com medo de estragar a harmonia da tua música. É, eu consegui ouvir música, com teus versos.

Feliz todos os teus dias, bonita!

Te beijo.

Filipe Garcia disse...

Oi Tamires!!

Que bonito seu poema! Você usou Drummond tão bem, parece até que foi preenchendo as entrelinhas que ele deixou na poesia dele. Bom é a gente se ver nos versos do outro, trazer pra gente as palavras, recriá-las, adaptá-las em nós.

Eu gostei! Demais!

Um beijo.

Felipe Rangel Prado disse...

Quanto que falta pra gente ser completo? rsrsrsrs

Linda

Por favor escuta minhas musicas:

www.palcomp3.com.br/feliperangel